Schiaparelli, a dose certa de moda e arte

Banner (2)

Com um toque surrealista Elsa Schiaparelli escreveu na história da moda seu legado sonhador. Sendo a contramão da mulher Chanel – clássica de tons sóbrios – Schiap, como era apelidada, dava asas às fantasias de mulheres do mundo todo, que pediam por um impulso de cor e criatividade.

Shari Herbert com um vestido de festa Schiaparelli

Nascida em Roma em 10 de setembro de 1890, de uma família rica e de estudiosos, cresceu sem grandes limitações e no meio de teóricos. Mostrando  desde pequena um temperamento forte e um apreço grande por história antiga, misticismo e mitologia.

Por pressão familiar estudou Filosofia na Universidade de Roma e, nesta época, publicou um livro de poesia erótica sobre Arethusa, ninfa da mitologia grega. O que acabou chocando toda sua família e fazendo com que fosse para um convento na Suíça, estadia que não durou muito, pois declarou greve de fome.

Elsa Schiaparelli

Cansada do limite criativo e da imposição de sua família, decidiu mudar-se em 1913 para Londres, onde conheceu e se casou com Willy de Kerlor em 1914. Em dois anos foram tentar uma nova vida em Nova York, vivendo apenas do dote do casamento que os pais de Elsa pagaram. Lá teve contato com diversos artistas importantes da época. Sua primeira e única filha, Maria Luisa Yvonne, nasceu em 1920 e com pouquíssimos meses de idade tem poliomielite. Mas o casal já não passava por bons momentos, principalmente por problemas financeiros, se divorciaram. Schiap voltou para europa onde os tratamentos para a filha eram mais avançados.

Elsa Schiaparelli em seu ateliê

Foi morando na França em 1922 com 32 anos que teve seu primeiro contato com a moda. Conheceu Paul Poiret, um grande estilista da época, que a motivou criar suas próprias peças, pois acreditava em seu potencial e era apaixonado por seu estilo e bom gosto.

Pulôver de Schiap com ilusão de ótica.

Elsa começa então a desenvolver e vender as próprias peças, sua grande guinada foi quando criou um pulôver que tinha uma ilusão de ótica de um laço. E foi com esse efeito “Trompe-l’oeil” (engana o olho) que a estilista vira a sensação do momento, conseguindo vender cada vez mais, até  que em 1927 funda sua marca.

Elsa e Salvador Dali.

Buscando abrir cada vez mais seus leques de criações a designer começa a cocriar junto com diversos artistas, em especial Salvador Dali e Jean Cocteau. Colocando em outro patamar a moda como um meio de expressão de sonhos e desejos.

Zsa Zsa Gabor veste Schiaparelli no filme Moulin Rouge, um vestido rosa choque que virou a assinatura da marca.

Brincando muito com o que é moda e o que é arte, Schiap vira um grande sucesso e desperta tanto desejo que sua sensação atravessa o oceano e começa a ser requisitada também nos EUA e no restante do mundo.

O icônico inseto bordado e o chapéu em forma de salto.

Hoje a marca tem como diretor criativo Daniel Roseberry que busca muito em suas origens lá do 20’s para criar uma nova proposta, principalmente no que se diz a respeito de joias. 

Criações de 2020 de Daniel Roseberry

Com peças estruturas, pérolas barrocas e um toque de ouro antigo, Roseberry desperta os desejos mais latentes do momento. Desejos que pedem por uma outra realidade.

“Nessa temporada eu me encontrei desenhando um look inteiro voltado para uma joia e isso se tornou a linguagem de toda a coleção”  Daniel Roseberry uma semana antes do desfile de primavera em 2020.

Kim Kardashian, Bruna Marquezine e Beyonce. Todas com peças Schiaparelli.


Foi através dessa linguagem assertiva onde coloca uma joia maximalista e surrealista como centro das atenções que Roseberry colocou a marca de volta aos holofotes.

por Lucas Viceli

arte por Amanda Lima.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter

Acompanhe as novidades

A Mazze utiliza cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a utilização dessas tecnologias, como também, concorda com os termos da nossa Política de Privacidade